“Nem me fale de igreja: Cansei!” “Minha igreja me assassinou”, “Estou fora da instituição, nunca mais quero fazer parte de uma”, etc., Tenho cada dia mais “ouvido” expressões como essas de meus leitores e quando lhes dou atenção pastoral, fico ainda mais surpreso por encontrar nelas pessoas de boa índole, maduras, que amam a Cristo mas com feridas enormes deixadas por imprudência de pessoas e até pastores que ao tratarem de situações, ao invés de amar, foram imprudentes, até relapsos ou até mesmo justiceiros em nome do zelo da instituição ou de defesas de suas posições, e como resultado, deixando pessoas machucadas pelo caminho, sem atentar pelo socorro que seria natural prestar a elas para cura-las ou mesmo encaminha-las com amor a superar os seus erros, e retomar sua vida com Deus, como deve ser a missão da igreja.

Pior: Ouvir de quem pastoreia uma igreja, que praticamente tocou pessoas para fora dali, dizendo: pode sair, vai para outro lugar que te abençôo, como se fosse dono da igreja e até usurpando de sua atribuição ministerial, apenas porque estas pessoas, na sua ótica, eram problemáticas, rebeldes ou trabalhosas. Pera aí: de que estamos falando? Se omitirmos as palavras que identificam de onde, e quem se trata, alguém deduziria que falamos de uma instituição religiosa? e que conhecemos por igreja e que deveria ser a representação do corpo de Cristo? Do amor típico de Cristo demonstrado no evangelho? Ou diriam que se trata de um tribunal, de um local discriminatório e seletivo de pessoas?

Esse péssimo desvirtuamento de conceitos que prolifera por aí, que igreja é um hotel de santos e que a função pastoral é de alguém que tem uma posição para ser servido e não de um servo, que ao invés de ser uma fonte de bálsamo para as ovelhas feridas, lhes causa sérias “lesões” e até “mata” algumas ovelhas? Em que tempos estamos? De onde tiraram isso? Que evangelho é esse? Rasgaram a bíblia?

Pastorear é essencialmente servir ao rebanho e cuja função está fundamentada em Cristo e no seu amor, como no exemplo da parábola das cem ovelhas, onde o pastor deixa o rebanho para sair em busca da ovelha perdida, se arriscando pelos penhascos e pedregais e literalmente carregando a ovelha nas costas para trata-la e reintegra-la ao rebanho.

Hoje infelizmente em muitas situações, as coisas estão invertidas de tal forma, que como diz o ditado popular, o rabo é que balança o cachorro: Ovelhas tem de carregar o pastor nas costas e os “feridos” são “jogados” fora do hospital, onde deveriam ser tratados.

A verdade é que precisamos com urgência voltar ao evangelho do amor da expressão da figura de Cristo em nós, e assim, produzindo mais servos e menos senhorios, mais igreja e menos tribunal, mais homens se Deus e menos “pavões” em busca de posição, mais obreiros e menos engravatados de púlpito, mais bíblia e menos mercantilismo da fé, enfim, mais cura e menos feridas e assim reaprendermos o evangelho e vivermos o que pregamos e assim produzir frutos de quem está ligado à videira verdadeira e não a um espinheiro!

Que Deus tenha misericórdia de todos nós e possamos acolher cada dia esses feridos e dar-lhes como bálsamo uma palavra pastoral e um abraço fraternal que exale bom samaritano e não o sacerdote religioso nem o levita displicente.

Pr. Eroni Fernandes

Facebook: novos reformadores

Instagram: novosreformadores

Posted by:Eroni Fernandes

Empresário, Pastor, defensor de uma igreja MENOS INSTITUIÇÃO e mais IGREJA DE VERDADE, relevante, focada na missão e com dedicação à sua razão de existir: Evangelizar e levar paz, alívio e salvação ao seu redor, expandindo na sua redondeza e alcançando o mundo.

7 respostas para ‘Quando a “igreja” machuca ao invés de curar…

  1. Fui expulso de uma denominação, em nome do zelo, pois tive um processo de divórcio. O pastor proibiu as pessoas de se aproximarem de mim. Ele mesmo quando passa por mim na rua, desvia de caminho para evitar me ver. Eu tenho muita dor e mágoa por conta disso, pois em nome de um amor, eles me jogaram pra fora e me deixaram sozinhos. 90% dos membros foram influenciados a agirem da mesma forma que o pastor. Infelizmente isso é uma triste realidade que só sabe a dor que é, quem ja passou por ela.

    Curtir

  2. Uma leitura forte. Expor a verdade é atitude de pessoas convictas daquilo que defendem e que estão dispostas a lutar sem usar meios termos ou tentar falar usando expressões leves… Eu penso igual, mas não tenho coragem de demonstrar meu pensamento. Está de parabéns Pastor! Deus sempre escolheu os corajosos para o seu serviço. Já senti na pele um desprezo feito às moças que usavam roupas um pouco acima
    do joelho. Senti a dor pela minha filha… Foi humilhante… E, eu não sabia como falar pra ela não ficar tão magoada… Faltaram-me as palavras … O coração ficou triste, muito triste… Coração de mãe toma as dores dos filhos…

    Curtir

    1. Eu sofro o peso do que estou falando, mas não desisto, muito pelo contrário, tenho a convicção do que estou fazendo e o que Deus me chamou e como complemento, e em tom mais claro e mais forte por não ser na internet. o Leu livro vem em breve falando em letras garrafais sem rodeios, muito do que pastores, dirigentes e pessoas que propositalmente ou sem perceber levam a obra do senhor de forma relaxada ou sem foco na missão da igreja.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s