“Toda religião cria limites e induz seus praticantes a conhecerem um “deus” no limite do tamanho do “deus” que a cabeça limitada de seus líderes conseguem conceber.”

As religiões são um meio de se relacionar com Deus, mas são definidas e dirigidas por homens, portanto, possuem limites e falhas. Se você espera encontrar uma igreja ou religião perfeita para se relacionar com Deus, lamento, você não encontrará. Desafie-se a conhecer a Deus primeiro pois ele é perfeito e então as falhas humanas não terão efeito sobre você.

A pratica religiosa ao longo dos anos enche-se de achismos, tradicionalismos e dogmas que a partir de um momento simplesmente não há como mudar, por mais inadequados que sejam para a sua atualidade, pois tudo por prática repetitiva, ao longo do tempo, tornou-se sagrado e solidificou na mente dos líderes e dos mais tradicionais, que normalmente dominam as decisões de quaisquer aperfeiçoamento das práticas de uma denominação religiosa.

Muitas religiões foram definidas através de concepções de pessoas leigas que certamente com muito esforço, seriedade e pureza de coração, interpretaram a bíblia de maneira literal e limitada a sua capacidade e influenciados por seu ambiente cultural e dessa forma suas idéias vitrificaram na mente das outras pessoas e muitas vezes ao longo do tempo foram se contaminando por inserção idéias e interpretações de outras pessoas. O fruto da soma e mistura desses pensamentos hoje são as bases fundamentadas de credo e fé da grande maioria dos praticantes das denominações mais históricas e tradicionais. Essa estrutura de práticas até tidas como doutrinas, nem sempre tem fundamento bíblico doutrinário, são apenas hábitos religiosos que a rigor não interferem na salvação e no relacionamento com Deus, a não ser negativamente pela opressão institucional que muitos desses conceitos, que hoje não cabem mais em cabeças iluminadas pela sabedoria dos conhecimentos teológicos mais atuais mas que as pessoas necessitam se sujeitar a tais práticas para permanecer em sua denominação.

Aí aparecem os pontos que a religião reduz Deus ao entendimento limitado do homem, tornando finito e limitado um Deus sem limites e sem fim, e dessa forma a religião escraviza os fiéis debaixo de um falso conceito de obediência, criando situações até hilárias e desprovidas de qualquer fundamento bíblico. A obediência que a bíblia defende é aquela restrita às doutrinas bíblicas e aos mandamentos indissolúveis de Deus, não aquela que é fruto apenas regras e de interpretação humana e contaminada por limites interpretativos, culturais e religiosidade ou pelas regras de usos e costumes de uma igreja. Quando a religião cria esses limites, induz seus praticantes a conhecerem um deus somente no tamanho que a cabeça de seus líderes conseguiram conceber. Obviamente muito aquém do que Deus realmente é. Esse é o grande prejuízo que uma religião ou denominação pode gerar na vida de relacionamento com Deus de seus fiéis, subtraindo deles o melhor do relacionamento com Um Deus amoroso, verdadeiro, todo poderoso e infinito.

Uma religião ou uma igreja precisa e é livre para definir as sua próprias regras para sobreviver e funcionar como qualquer instituição, assim como um clube ou um condomínio por exemplo, pode determinar suas normas, mas isso deve ser estritamente organizacional para o bom funcionamento institucional e não se pode elevar isso a um preceito de fé ou pior ao status de requisito de salvação para seus praticantes. A falta do ensino e esclarecimento dessa linha divisória é o maior limitador do conhecimento de Deus aos fiéis de muitas igrejas: (veja matéria esclarecedora sobre isso NESTE LINK)

Voltando ao nosso relacionamento com Deus, temos de reconhecer que nós não temos merecimento algum, temos muitas culpas e vivemos sujeitos ao erro e ao pecado. Deus é a plenitude do Amor, não é um senhor feudal castigador que está esperando você errar para cobrar o preço pelo seu erro, ele é perdoador,  infinito em misericórdia, mesmo que você erre, ele é pronto para perdoar, pois enviou seu filho para morrer e nos libertar de todas as culpas, basta nós buscarmos ter uma vida em voltada a servi-lo e à busca da prática de seus mandamentos. A religião ou denominação é um meio para isso, jamais pode ser o fim em si mesma.

Deus é fiel e justo e quem conhece a ele além da prática religiosa, experimenta Deus verdadeiramente e quando isso ocorre faz muita gente entender que as vezes perdeu sua vida praticando uma religião sem conhecê-lo de verdade e nem experimentar a doçura, o conforto e o alívio que é tê-lo como pai não como só como um fardo de renúncias e restrições de vida, que enfatizamos, fazem parte de uma vida de quem que servi-lo, mas não podem sublimar seus atributos que são a sua essência como Deus.

Experimente Deus, ele está sempre junto de você nas coisas simples, esperando para te dar um abraço de paz em dias tão turbulentos, de pai e amigo nos dias de solidão. Ele jamais caberá dentro da limitada mente humana, quanto mais nos limites humanamente criados para a viabilizar ou justificar a prática de uma religião.

Desafie-se hoje a conhecer Deus além dos limites de sua Religião! Converse com ele como de um filho para um pai e peça e insista para ele se revelar a você e descubra a diferença de servir a um Deus verdadeiro além dos limites da sua religião.

Pr. Eroni Fernandes

Posted by:Eroni Fernandes

Empresário, Pastor, defensor de uma igreja MENOS INSTITUIÇÃO e mais IGREJA DE VERDADE, relevante, focada na missão e com dedicação à sua razão de existir: Evangelizar e levar paz, alívio e salvação ao seu redor, expandindo na sua redondeza e alcançando o mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s